A advocacia militante e o perigo do Marketing Eleitoral

Li passagem de singela entrevista do atual presidente da OAB/PE após representação que protocolizei em face do pré-candidato que se diz oposição à sua gestão. O digno presidente sustentou a minha legitimidade para a representação, sem explicar porque não tomou, como represente da classe, a mesma diligência. Sustentou, também, a necessidade de um período eleitoral mais curto e a diminuição de gastos espetaculares de campanha. Em contraposição a ao que disse, o pré-candidato por ele apoiado vem fazendo gastos homéricos com uma campanha indireta,  com propagandas de benefícios que a CAAPE estaria oferecendo ao advogado, enaltecendo sua gestão, tudo isso às vésperas do período eleitoral. Por quê não fez antes? A prévia  campanha eleitoral do outro que se diz oposicionista e seus gastos com marqueteiros dispensa comentários.

Assim como dispensa comentários as agressões pessoais que já passei a sofrer de seus correligionários. Não descerei ao nível. Eis o perigo! O marqueteiro profissional, do qual se utilizam os pré-candidatos, não estão preocupados com o grande e necessário discurso dos assuntos de interesses dos advogados e da advocacia. Prendem seus focos na divulgação de imagens dos  candidatos, em divulgação de artigos de péssima qualidade e tudo porque são sabedores que nós advogados não temos acesso às informações mais úteis de nossa classe, como por exemplo, a prestação de contas, seja dos gastos da OAB/PE ou da CAAPE. Para onde vai nosso dinheiro? O advogado perdeu o contato direto com os candidatos, a exemplo da política partidária, e se vê diante de panfletos e mídia eletrônica, para depois ir decidir nas urnas, alimentado por discursos pasteurizados. Ninguém se pergunta mais nada. Por exemplo: você está satisfeito com o modelo de gestão que está ai? Seja sincero, o que a OAB/PE fez por você, por você, por você, nestes três últimos anos de gestão? Você sabe para onde vai seu dinheiro? Você tem consciência de que você paga tudo e que nada sai dali de graça, como apregoam? Você que é advogado trabalhista tem real consciência do tamanho da omissão dos legítimos representantes da classe sobre o prédio da SUDENE e porque foram desalojados? A OAB/PE não sabia de nada? A AATP não sabia de nada? Não se deixe enganar pelo marketing profissional. Pense! Reflita! Há uma verdadeira oposição de advogados militantes, construída a mais de três anos.

Não é uma oposição oportunista, encoberta pelo manto da vaidade, que por igual vem fazendo uma campanha ilegal com gastos incomensuráveis e que dava para alimentar a fome de muita gente. Essa imoralidade precisa acabar. Nosso discurso é incompatível com nossa prática. Nós, você e eu, advogados militantes, do cotidiano sofrido da advocacia, podemos mudar essa realidade de fato, sem nos deixar ser enganados pela propaganda superficial, e para isso basta não nos submetermos ao poder econômico dessas candidaturas, que não representam sequer os interesses sociais, quanto mais da advocacia.

Analise nossas propostas, atente aos nossos compromissos, observe o que é melhor para nossa classe. Pense e reflita sobre tudo, e no dia 18 de novembro vote no que e melhor para você e a nossa classe. Faça isso com respeito próprio, sem medo, sem ódio, sem rancor, mas com a esperança e a certeza de que só você pode mudar essa realidade. E vamos continuar conversando.

Nossa campanha só começará nos fóruns quando o registro da nossa chapa, quando só então estaremos lealmente autorizados a proceder como manda a lei.

Emerson Leônidas
Coordenador do Grupo e Ordem é dos Advogados e candidato a presidência da OAB/PE pela chapa SIM PARA  A NOVA ORDEM